Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
9/02/24 às 12h12 - Atualizado em 9/02/24 às 12h12

Ação combate transporte irregular e comercialização clandestina de produtos

A equipe de fiscalização de trânsito agropecuário da Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (Seagri-DF) realizou uma operação na DF-290, nesta quinta-feira (8). A blitz teve como objetivo coibir o transporte irregular de cargas vivas e mitigar o risco de comercialização de produtos de origem animal clandestinos. No total, foram abordados 47 veículos, vistoriados 100 suínos e inspecionadas mais de três toneladas de produtos de origem animal.

Durante uma das abordagens, a equipe da Gerência de Fiscalização do Trânsito de Produtos Agropecuários (Gefit) verificou a presença de caixas contendo maços de cigarro com evidentes características de irregularidades nos produtos e na nota fiscal. A equipe acionou as forças de segurança pública do DF, por meio do Centro Integrado de Operações de Brasília (Ciob), que destinou uma viatura da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) para acompanhamento da operação. A carga foi escoltada até a 20ª Delegacia de Polícia, no Gama, e apreendida pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) para diligências.

 

A integração dos órgãos que atuam na fiscalização do trânsito de mercadorias – Seagri, Secretaria de Fazenda do Distrito Federal (Sefaz), Polícia Rodoviária Federal (PRF), entre outros – foi extremamente importante durante a referida ação. No ano passado, durante a XXI Operação Temática de Enfrentamento aos Crimes Contra o Fisco e a Saúde Pública (Otefis), coordenada pela PRF, alguns servidores da Gefit/Seagri foram capacitados para identificar fraudes em diferentes mercadorias. Além disso, foi fomentada a integração das instituições públicas na fiscalização do trânsito de mercadorias para a redução das oportunidades de atividades ilícitas.

Ao unir esforços e coordenar ações, as autoridades dos diferentes órgãos aumentam sua capilaridade de operação e podem identificar com mais eficácia e segurança os produtos que representem riscos à saúde pública, ao meio ambiente e à economia.

 

*Com informações da Seagri-DF