Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/03/21 às 11h22 - Atualizado em 9/03/21 às 12h02

Todos pela Vida

COMPARTILHAR

Secretário de Estado da Casa Civil, Gustavo Rocha

 

Nesta Segunda-feira, 8/3, o secretário de Estado da Casa Civil, Gustavo Rocha e o secretário Adjunto de Assistência à Saúde, Petrus Sanches, concederam uma coletiva para fazer um apelo para a população do Distrito Federal. Segundo o secretário da Casa Civil, Gustavo Rocha, é necessário diminuir com urgência as aglomerações e, consequentemente a taxa de transmissibilidade do vírus, que passa de 1,32. “O maior índice de contaminação ocorre justamente no período noturno e, infelizmente, continua ocorrendo. Há pessoas que não se conscientizaram da seriedade do momento que estamos passando – o Brasil, o mundo todo -, e continuam nas suas aglomerações, continuam saindo”, explicou o secretário.

Com o aumento constante de casos de covid-19 na capital e a situação alarmante de ocupação de leitos das Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) das redes públicas e privada, o governador Ibaneis Rocha decretou, nesta segunda-feira (8/3), o toque de recolher em todo Distrito Federal. A restrição é válida entre 22h e 5h. A decisão ficará vigente até as 5h de 22 de março. Aquele que descumprir o Decreto Nº 41.874 deverá pagar multa de R$ 2 mil. O aumento da taxa de transmissão fez com que medidas fossem tomadas justamente com o intuito de que esse percentual diminuísse, mas esta queda ocorrerá apenas se houver uma conscientização da população”, afirmou o chefe da Casa Civil, Gustavo Rocha.

 

Chefe da Casa Civil Gustavo Rocha e o secretário Adjunto de Assistência à Saúde, Petrus Sanches

 

De acordo com o secretário Gustavo Rocha, há 10 dias essas taxas estavam bem mais baixas e, a preocupação do governo é com daqui a algumas semanas. “O que está sendo visto hoje nas ruas, será refletido em mais e mais gente contaminada”, afirmou ao se dizer bastante preocupado.

Ele detalhou ainda que o GDF tem intensificado a contratação de novos leitos de UTI, “mas nada será suficiente” se as taxas de infecção e reinfecção não baixarem. “Já foram abertos 264 leitos a mais do que existia. Todos esses leitos já foram ocupados. Na medida que abrem leitos, eles são ocupados no mesmo momento”, lamentou.

 

O Distrito Federal chegou a 308.539 casos do novo coronavírus, 2.288 a mais em relação ao dia anterior. Deste total, 287.563 (93,2%) se recuperaram e 4.979 (1,6%) faleceram. Foram contabilizadas mais 3 mortes pela covid-19 ontem. De acordo com o secretário Adjunto de Assistência à Saúde, Petrus Sanches, no ano passado, os marcadores de isolamento social ficavam em torno de 60%. Contudo, em 2021, os números não chegam a 40%.

 

Para o secretário Petrus Sanchez, o pedido de colaboração do governo para evitar aglomerações é algo mais temporário que foi no passado. Ele lembrou que com a chegada da vacina, e os bons resultados apresentados, a colaboração será essencial para evitar mais mortes. “A vacinação de idosos, a partir de 80 anos de idade, com 30 dias, surtiu efeito – e já mostrou que esse público já não repercute na internação, quando comparado ao público de 65 a 79 anos”, apontou. “Esse é um dado que ficou bem nítido na nossa equipe de avaliação. A vacinação protege bem, mas enquanto estamos avançando na vacinação, precisamos que todos redobrem os cuidados”, destacou.

 

O Governador anunciou que  vai investir R$ 36 milhões na construção de três hospitais de campanha para o tratamento de pacientes com covid-19. Cada unidade terá até 100 leitos, podendo chegar a 300 novos. Além disso, o GDF planeja a ampliação do hospital regional de Santa Maria para reforçar o atendimento.
Os hospitais de campanha serão erguidos nas regiões Central, Oeste e Sul, em endereços a serem definidos pela Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap).